Resenha – Úrsula

Eu gosto muito de clássicos em geral, não sei bem explicar o porquê. Talvez seja a atmosfera de outros tempos, talvez seja pela qualidade literária (afinal, são clássicos por um bom motivo), ou poderia ser outra coisa que ainda não consegui definir. Porém, nem todos os livros do nosso tipo preferido vão nos agradar. Foi o que aconteceu comigo ao ler Úrsula, escrito por Maria Firmina dos Reis e publicado pela primeira vez em 1859. (Leitura feita em conjunto com o perfil Blog Mundo dos Livros)

Adquira Úrsula na Amazon

Tancredo é um rapaz de família abastada que, ao ser acometido de uma doença inexplicável no meio da estrada, acaba sob os cuidados de Úrsula, uma moça que não conhece mais do que o ambiente doméstico e que devota a vida à mãe acamada. Os jovens acabam se apaixonando e Tancredo promete casamento e felicidade, mas o futuro dos dois pombinhos é ameaçado por um amor possessivo despertado em um homem inescrupuloso, que jura que terá Úrsula, custe o que lhe custar.

“Porém, Úrsula, se me recusardes essa ventura, a única que almejo, a minha vida tornar-se-á um prolongado martírio, e quem sabe se a poderei suportar!?”

Como você já deve ter percebido, Úrsula é um romance bastante clichê, ao menos para os padrões de nossa época. Tancredo tem uma história amorosa trágica que acaba redimida pela nova amada, há a figura de um pai tirano, a maioria das mulheres extremamente idealizadas, praticamente santas, e existe um vilão cruel e sem complexidade. A narrativa também não ajudou muito, por ser demasiadamente descritiva. Eu me pegava devaneando no meio de um parágrafo, apenas para perceber que pulei um grande pedaço sobre as árvores à margem da estrada. Enfim, o tom típico do período romântico.

Eu havia iniciado a leitura com grandes expectativas, pois muito ouvi falar da obra nos últimos tempos, como sendo a precursora dos romances abolicionistas e por ser o primeiro romance brasileiro escrito por uma mulher negra. Ao me deparar com protagonistas de classes mais altas e brancos, fiquei bastante confusa. Porém, conforme a história avançou, pude conhecer um pouco do pensamento da autora nessas questões, com personagens negras e algumas descrições de suas vidas. Menção honrosa ao capítulo sobre Susana, o mais profundo de todo o livro e o melhor deles.

Túlio obteve pois por dinheiro aquilo que Deus lhe dera, como a todos os viventes.

Além das ideias abolicionistas inseridas no livro e apesar do açucarado do romance entre os protagonistas, percebemos a misoginia da época e o posicionamento da autora em relação a isso, que destaca a falta de liberdade da mulher e o quanto sua vida é determinada pelos homens que a cercam.

Imagino, e isso também foi comentado na discussão da leitura coletiva, que Maria Firmina dos Reis tenha utilizado um enredo e protagonistas mais “agradáveis” para a sua época para ter mais chances de ser publicada e espalhar suas opiniões libertárias de forma mais discreta. Soma-se a isso o peso de ser ela uma mulher e negra, o que, aliás, contribuiu para que a autora estivesse fora dos livros escolares e listas de vestibulares por muitos e muitos anos, tornando-se quase uma desconhecida.

Carol segurando o Kindle com a capa de Úrsula. Carol usa um vestido com uma camisa de mangas compridas e fofas por baixo e o cabelo trançado caindo pela lateral, no ombro à esquerda da imagem.

Não vou negar que Úrsula seja um livro arrastado e desafiador, eu mesma cheguei ao fim por estar em uma leitura coletiva. Porém, é uma obra que merece ser conhecida e estudada pela sua importância histórica e literária, para figurar de fato entre os maiores nomes da Literatura Brasileira.

Adquira Úrsula na Amazon

Se você se interessou por Úrsula, saiba que é um livro de domínio público e pode ser baixado gratuitamente (deixo aqui um link). Porém, se você quiser uma edição mais trabalhada ou a versão física, adquira seu exemplar com meu link de associada Amazon. Você não paga nada a mais pelo seu produto e ainda me ajuda a manter esse espaço de divulgação.

2 comentários em “Resenha – Úrsula

Adicione o seu

    1. Não julgo de forma alguma! Hahahaha

      Não é mesmo um livro fácil de ler, achei bem arrastado. O que me ajudou foi participar de uma leitura coletiva, com discussões semanais. Pode ser uma alternativa para você também! ♥

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: