Resenha – Vida Peregrina

Tem pessoas por quem a gente sente um carinho muito grande mesmo sem conhecermos pessoalmente. É assim que me sinto em relação a Mariana Kalil, essa pessoa adorável, engraçada e talentosa, autora de três livros (um deles já resenhado por aqui), que eu adoraria ter conhecido e batido um papo sobre a vida. E por falar em vida, Vida Peregrina, editado pela Dublinense e de quem recebi a edição virtual em parceria, funciona como uma pequena autobiografia sua, bem-humorada e cheia de fatos e sentimentos tão comuns quanto especiais.

Adquira Vida Peregrina na Amazon

Mariana é uma gaúcha que, desde muito cedo, sabia que era uma estrela. Quase acabou na carreira de dentista, mas se descobriu no jornalismo, onde poderia exercitar sua criatividade e se aventurar em diversas oportunidades. Porém, a vida nunca é tão simples quanto a gente gostaria e Mariana enfrenta vários reveses, muda de planos algumas vezes e se depara com sentimentos contraditórios em situações tão parecidas entre si. Em resumo, Mariana expõe sua trajetória, não com glamour e heroísmo cinematográficos, mas com toda a sua humanidade.

E é exatamente isso que nos aproxima dela. Afinal, quem nunca tomou decisões precipitadas em um momento de euforia, quem nunca precisou de umas férias da rotina que levava, quem nunca deixou o certo e foi atrás do duvidoso? Quem nunca errou, chorou, riu e acertou na vida?

[…] e não só acreditei como passei a viver atordoada com aquela provocação: “Posso ir pra onde quiser. Preciso ir pra algum lugar. E agora? Pra onde eu vou?”

Com toda a sua vulnerabilidade, Mariana demonstra um otimismo singular. Ela, que se considerava tão pessimista, nos mostra o mundo através de suas lentes cor-de-rosa, com um humor delicioso. E que título acertado! Mudança é a palavra que melhor descreveria esse livro, com diversas reviravoltas, lembrando o quanto estamos peregrinando nessa vida e que o apego mais atrapalha que ajuda.

A franqueza de Mariana, com suas dúvidas, angústias e indecisões, pode ser desconcertante. Afinal, muitos de nós ainda preferimos manter nossa humanidade escondida e vestir uma capa de perfeição. Por isso mesmo, é interessante esse encontro com alguém tão disposta a se despir dessa fantasia. Pode ser inspirador!

[…] careço do espírito cristiano que assegura que sofrendo se aprende. Acho que sofrendo se sofre.

Outra lição que (re)aprendemos com Mariana é que a felicidade está nas pequenas coisas: naquele doce que só se come aos domingos, naquela conversa despretensiosa, no passeio com o cachorro (ou o carinho no gato, se preferir), em um jantar que deu errado, mas que o improviso deixou melhor ainda. É relativamente fácil alcançar a felicidade, mas exige, por vezes, alguma dose de maturidade para reconhecê-la.

Por fim, a única coisa que me deixa triste é não ter tido a oportunidade de conhecer Mariana Kalil. Ri e chorei com cada um dos momentos de sua Vida Peregrina e já me sinto sua amiga, mesmo que essa amizade seja apenas de um dos lados.

Se você se interessou por Vida Peregrina, considere comprar seu exemplar através do meu link de associada Amazon, contribuindo com uma pequena comissão e me ajudando a manter esse trabalho, sem pagar nada a mais por isso.

3 comentários em “Resenha – Vida Peregrina

Adicione o seu

    1. Essa é uma autora meio que “coringa” para mim agora. Sempre que estou mais ansiosa ou quero uma leitura agradável e leve, logo penso em seus livros. Super recomendo! ♥

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: