Resenha – Não Pararei de Gritar

Eu costumo ser mais da prosa que da poesia. Tenho alguns poetas preferidos, mas é comum eu enjoar rápido da estrutura em versos e da forma cantada de se ler. Então foi com surpresa que li em uma única tacada o livro de poesias Não Pararei de Gritar, de Carlos de Assumpção, lançado em março de 2020 pela Companhia das Letras e que recebi através da plataforma NetGalley, em parceria com a editora (Papo Literário é integrante do Time de Leitores 2020).

Não Pararei de Gritar é uma espécie de antologia, que reúne os poemas escritos por Carlos de Assumpção, desde os escritos em 1982 e publicados em seu primeiro livro, até outros recentes, escritos em 2018 e 2019. Seus versos de protesto dizem muito sobre a realidade racista do Brasil, de forma clara, e aberta, resgatando a força e a história de uma população que sofreu e sofre com a violência e o silenciamento todos os dias.

De repente

Duma viatura

Saltam sobre mim

Vários policiais

Com cassetetes revólveres

Metralhadoras em punho

E com ódio no olhar

Me cercam de repente

No meio da calçada

Num círculo de terror

Não me pedem documentos

Não me perguntam nada

Basta a minha cor

Crime

Carlos de Assumpção é descendente de pessoas escravizadas e ouviu de seu avô, que nasceu ainda no período imperial, sobre a luta dos negros por sua libertação, podendo contrapor o que os livros de História contam com a realidade vivida por seus antepassados, preenchendo assim as lacunas e espalhando a outra versão (a que não quiseram escrever nos livros didáticos) com sua poesia.

Carlos de Assumpção tem uma linguagem fluida, rítmica e bela, e uma produção extremamente relevante, por denunciar a realidade de uma população marginalizada. Enquanto lia seus poemas, me questionava sobre o motivo de não saber nada antes sobre o poeta, mas a resposta se mostra bem clara: os holofotes não são dados tão facilmente àqueles de pele negra e mesmo quando eles conseguem se destacar, há uma tentativa de embranquecê-los (são tantos os exemplos, mas para listar apenas dois: Machado de Assis e Maria Firmina dos Reis).

Senhores

O sangue dos meus avós

Que corre nas minhas veias

São gritos de rebeldia

Protesto

O fato de a poesia tão bela, tão necessária e tão arrebatadora de Carlos de Assumpção, que se encontra no alto de seus 93 anos, não ser tão conhecida, diz muito sobre a nossa sociedade. E mesmo que ele não pare de gritar, é necessário que nos disponhamos a ouvir.

Se você se interessou por Não Pararei de Gritar, adquira seu exemplar pelo meu link de afiliada. Você não paga nada a mais por isso e ainda apoia o meu trabalho!

2 comentários em “Resenha – Não Pararei de Gritar

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: